As cidades invisíveis

As cidades. As da ausência, a Cuzco inca ou a Tenochititlán asteca, em cujos labirintos imaginários nos perdemos. E as outras, ibero-americanas.  A Cidade do México, «cidade do sol parado, cidade de calcinações longas, cidade a fogo lento». Santiago «das mulheres formosas com olhares de uva». Rio de Janeiro, cidade maravilhosa. A secreta Buenos Aires inventada por Borges. Todas as que convidamos a descobrir, «porque aquilo que nos interessa é o que o viajante vê».

Valparaíso, “o insólito porto sem portas, à porta dos vastos mares”, aonde vos convidamos a deambular guiados por Sergio Vuskovic Rojo na subpágina Neruda e a invenção de Valparaíso.